Inside the Box | TENDÊNCIAS NRF 2020
16157
post-template-default,single,single-post,postid-16157,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,qode-theme-ver-17.0,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.5,vc_responsive

TENDÊNCIAS NRF 2020

Em Nova York nos primeiros dias de janeiro aconteceu mais uma edição do encontro anual da National Retail Federation (NRF), que reuniu os principais representantes do varejo mundial. O tradicional evento reuniu 38 mil participantes de 99 países com o intuito de apresentar as tendências para o varejo neste ano de 2020.

Durante os 3 dias do evento foram apresentados diversos cases e tendências para o varejo, neste post vou te contar as 4 principais tendências apresentadas no encontro. Bora!

Uso de Dados 

Nos anos anteriores, dados estiveram no centro das tendências da NRF. Esse ano não é diferente. Dessa vez, contudo, a tendência está num problema gerado pela grande quantidade de dados que foi e está sendo gerada.

O setor que é responsável por um terço do PIB mundial gera 400 Petabytes (400 x 1024 Terabytes!) por cada minuto de operação, mostrando a enorme quantidade de dados disponível no setor. 

Como é sabido, esses dados podem ser utilizados para auxiliar no equilíbrio do estoque, gerenciamento de pedidos, rastreamento de preços e percepção do consumidor sobre a marca. O desafio do momento para as grandes empresas do varejo está na adaptação dos antigos sistemas existentes para extrair o melhor dos dados gerados.

Empresas como Microsoft, SAP, SAS, Oracle e Salesforce estiveram presentes no evento, e são responsáveis por construir os componentes necessários para que as grandes empresas do Varejo utilizem os dados de ponta a ponta.

Experiência do consumidor

A segunda tendência é utilizar novas tecnologias na loja física para melhorar a experiência, trazendo maior comodidade e autonomia ao consumidor. 

O cliente entra na loja identificando-se através do QR Code do app, pode escolher o produto, colocar na sacola, sair da loja e pronto. O valor dos produtos é debitado no seu cartão e, em até dois minutos, o recibo é enviado ao seu smartphone sem nenhuma interferência de um funcionário no processo.

Além disso, as novas tecnologias estão focando na personalização da compra aos consumidores, o perfil de dados de uma pessoa pode ser usado para conduzir uma jornada de compras que pode ser otimizada, rastreada e sem atrito. As experiências novas se concentram na utilização de ferramentas que vão sugerir peças que combinem com o estilo, mudar a musica da loja e informar sobre os produtos para facilitar a escolha do consumidor.

E Commerce e lojas físicas de mãos dadas

Ao contrário do que muitos imaginam, a venda pela internet não deve ser vista como concorrência. Foi mostrado na feira que 75% das compras em lojas físicas são influenciadas pelas lojas digitais. 

A busca por maiores informações e pesquisas na internet se mostram a grande sacada do consumidor na hora de fazer a sua compra. A partir desse ponto a escolha de onde será a compra vem do consumidor e as possibilidades são diversas. Comprar na loja e receber em casa. Comprar na internet, provar na loja e receber em casa. Ou comprar na internet e retirar na loja são alguns exemplos. 

Por isso, a ideia do omnichannel ainda está viva, apesar das dificuldades enfrentadas pelas grandes marcas na sua implementação. 

Automatização

Um dos grandes desafios do Varejo está na logística enfrentada pelas marcas, da estocagem ao pós-compra. 

Uma das soluções para esse desafio está na utilização de robôs da empresa Fabric, esses fazem o trânsito dos produtos em diversas fases do processo de logistica, a utilização de drones pode ser usados para máquinas percorrem os corredores das lojas e verificar as gôndolas para reposição dos estoques e inventário, ou realizam a organização de estocagem, elevando a eficiência das operações logísticas

Fonte: Forbes

No Comments

Post A Comment