Inside the Box | GIGANTES DO BRASIL
491
post-template-default,single,single-post,postid-491,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,qode-theme-ver-17.0,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.5,vc_responsive

GIGANTES DO BRASIL

Como podemos definir o tamanho de uma empresa? São grandes aquelas com marcas muito conhecidas ou as que faturam mais?

Poucos mercados tem uma relação tão conturbada de vendas versus conhecimento de marca quanto a moda. É um mercado muito pulverizado, com muitas marcas gerando poucas vendas. Como consequência dessa realidade, o mercado acabou se concentrando em grandes conglomerados cada um detendo um grande portfólio de marcas. Esses são desconhecidos, enquanto as marcas possuem uma assombrosa reputação mesmo que suas vendas não acompanhem.

Esse modelo é mundial e também domina o mercado brasileiro. Prova disso está na incrível predominância dos grupos dentre as empresas com maiores vendas no país. Para muitas das marcas consumidas no Brasil, há um conglomerado desconhecido por trás. Cada um com seu foco próprio e modelo de gestão. Abaixo, a lista dos 7 maiores grupos de moda do país:

1. Renner

Seria difícil imaginar essa posição da Renner há 10 anos atrás. A dona da Camicado, YouCon e da gigante marca homônima se reinventou e fez não só a empresa passar pela crise, mas fazê-lo com crescimento em quase todos os trimestres. Com faturamento de mais de 6 bilhões, a marca está sólida na liderança do mercado.

Faturamento: R$ 6,6 bilhões

Quantidade de lojas: 513

2. C&A

A multinacional holandesa com sede na Bélgica é outra marca com faturamento superior aos 6 bilhões. A diferença principal é a atuação monobrand. Diferentemente da Renner que possui outras marcas no seu portfólio, o faturamento da C&A é oriundo de uma única marca. A empresa está se reconstruindo e o futuro é brilhante. A briga pela liderança do mercado com a Renner parece que vai seguir forte nos próximos anos.

Faturamento: R$ 6,3 bilhões

Quantidade de lojas: 277

3. Riachuelo

Outra empresa nacional que se reinventou muito nos últimos anos é a Riachuelo. A empresa paulista inovou com inúmeras parcerias com designers e estilistas renomados e criou um conceito bem único para o mercado brasileiro. O alinhamento com o modelo fast fashion também é singular e foi um outro importante fator para o crescimento da marca.

Faturamento: R$ 4,7 bilhões

Quantidade de lojas: 302

4. Pernambucanas

A outrora líder de mercado ainda é uma potência apesar da perda de espaço nos últimos anos. Com faturamento superior a 3,5 bilhões, a empresa está se reconstruindo internamente e promete voltar a brigar pelo topo nos próximos anos.

Faturamento: R$ 3,7 bilhões

Quantidade de lojas: 320

5. Marisa

Depois de enfrentar sucessivos crescimentos, a Marisa passou por fortes crises e desde 2015 vêm se reestruturando. Modelo de loja e produtos estão se adequando e o adequações nas operações estão fazendo com que a empresa volte ao rumo de bons resultados. Com mais de 380 lojas da marca homônima, a rede paulista atende majoritariamente o público feminino.

Faturamento: R$ 2,2 bilhões

Quantidade de lojas: 398

6. Hering

A empresa de Santa Catarina é a primeira da lista com duas características peculiares. Além de não se encaixar no modelo mega store, a empresa também tem no multimarcas (canal B2B) o seu principal faturamento. No portfólio a Companhia Hering tem além da homônima Hering e da Dzarm, marcas infantis como a PUC e a Hering Kids.

Faturamento: R$ 1,73 bilhões

Quantidade de lojas: 782

7. Restoque

Tal qual a Companhia Hering, a Restoque se difere das outras da lista em tamanho de lojas e forte participação no multimarcas. Dona das marcas Dudalina, Individual, Base, Noir, John John, Le Lis Blanc, Rosa Chá e Bobo a Restoque é sempre envolvida em diversos rumores de novas aquisições de marcas.

Faturamento: R$ 1,5 bilhões

Quantidade de lojas: 298

*Todos os dados de faturamento e número de lojas são referentes ao ano de 2018.
No Comments

Post A Comment